O poema só nasce onde quer
Como um pé de fiolho,
é pura emoção selvagem ...

terça-feira, 13 de junho de 2017

Despudor


Toco-te, delicada, quase com ternura.
Olho a elegância arroxeada e os matizes agradam-me.
Toco uma e outra vez … avanço e …
continuo a cobiçar-te …
É à toa que te folheio, e irrompo desastrada.
O último verso é mesmo o primeiro.
E percorro o poema sorvendo cada detalhe
que te é pele, que te é cheiro, despudor …
oblíqua miragem.
E se me quiser afogar de claridade,
preciso de me tornar íntima aragem
e ser do prado o teu olhar.

Teresa Almeida Subtil


                             
Terras da lombada - Quintanilha.
       

9 comentários:

  1. Teresa gostei muito deste teu sensível poema, inspirado poema. Parabéns, poeta.
    Também gostei da imagem, o terreno, tendo em primeiro plano essas belas flores. Um abraço.
    Pedro.

    ResponderEliminar
  2. Um poema brilhante, que começa bem e acaba ainda melhor, sendo que pelo meio nada fica atrás.
    Parabéns, achei o teu poema apenas excelente.
    Bom fim de semana, querida amiga Teresa.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  3. O libertar dos sentidos, num abraço natural à vida...
    Senti os aromas, Teresa!
    Belo!

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
  4. "E percorro o poema sorvendo cada detalhe
    que te é pele, que te é cheiro, despudor …
    oblíqua miragem"
    Uma beleza, amiga!
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  5. E eu te digo, 'despudoradamente', que é um poema belo, delicado, terno!
    Beijo, querida, uma linda semana!

    ResponderEliminar
  6. Gostei de reler o teu excelente poema.
    Bom fim de semana, amiga Teresa.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  7. Ah querida, o teu perfume
    É-me saudade de tudo
    Até com o que eu me iludo
    Ter havido por ciúme

    Quando me acendeu o lume
    Da razão sem sonho, eu mudo
    Realmente, e sobretudo
    Sonhei em chegar ao cume.

    Perfume é necessidade
    De querer sentir saudade
    Do que não há e existiu

    Como algo, cujo o amor
    É nossa alma e o interior
    Em silêncio, sem um pio.

    Grande abraço. Laerte.

    ResponderEliminar
  8. Mais um trabalho sublime, de leitura maravilhosa!
    Um poema repleto de sensações... que nos toca fundo!
    Mais uma maravilhosa inspiração!
    Beijinho
    Ana

    ResponderEliminar